terça-feira, 31 de janeiro de 2012

DESCANSE EM PAZ, AL RIO

Hoje, o mundo dos quadrinhos fica mais triste, pois o querido desenhista Al Rio não está mais entre nós. Essa é uma homenagem da equipe do Capitão Rapadura a esse mestre e amigo.


segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

DIA DO QUADRINHO NACIONAL

Hoje é o Dia do Quadrinho Nacional e o Capitão Rapadura deseja muito sucesso e felicidade aos artistas, profissionais e fãs que fazem dessa uma das mais divertidas e apaixonantes formas de expressão do mundo.


sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Mino e Van Gogh


As pontes não impedem os Rios de seguir para o mar, do mesmo modo o cartum e a pintura seguem caminhos distintos, mas nada os impede de se encontrar e promover beleza e riso.

domingo, 22 de janeiro de 2012

Sonhar é Poder!


 Apesar da ênfase dada agora à necessidade de rir como fórmula de saúde, não devemos nos esquecer que o auto-conhecimento e a conscientização da realidade fazem parte desse mesmo quadro necessário à saúde.

Não se pode deixar a história para trás, por paradoxal que isso pareça. Ela tem que estar diante de nós, nos mostrando como a nossa ancestralidade lutou e trabalhou para estarmos onde estamos. Se não soubermos quem fomos, não poderemos saber quem somos.

E o que seremos e faremos de bom lá na frente, dependerá dessa identidade cultural e dessa consciencia adquirida com o conhecimento da história.

O que nos falta é ilustrar e condensar os feitos do passado e passá-los para o povo, da forma mais simples possível, principalmente, para todos os estudantes. Ao invés de mulher-pelada vamos desnudar nossa história, descortinar sua beleza, os grandes feitos dos grandes homens, seus sonhos, ideais e aspirações, redescobrindo assim nossa terra e a nós mesmos.

MINO para o editorial da RIvista #40

sábado, 21 de janeiro de 2012

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Tintin em aparição especial



Hoje estréia no Brasil o longa metragem As Aventuras de Tintin: O segredo do Licorne.

Steven Spielberg (Caçadores da Arca Perdida e ET) & Peter Jackson (Senhor dos Anéis e King-Kong) se uniram para levar ao cinema uma versão dinâmica e moderna para o Tintin do desenhista Hergè, uma obra clássica dos quadrinhos de aventura que já foi publicada no mundo todo.



Mais sobre Tintin aqui

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Rapadura Musical

Já dizia o cartunista Lailson Holanda: "O mesmo Gene que dá o desenho dá a Música". Mais uma comprovação disso é o desenhista Geraldo Borges integrante da formação origional da Banda "Eu Sou Elmer o Milionário tenho uma mansão e um Iate" ao lado de Marcelo Rossi, JJ Marreiro e Humberto.  

Capitão Rapadura desde que ganhou revista em 1996 anda às voltas com jingles e paródias nas vozes de seus desenhistas e de seus leitores. E como visto num post anterior ganhou até música num CD do Flávio Paiva. Desta vez a composição é do Geraldo Borges que aparentemente concorda com o Capitão Rapadura quando ele diz que "Quem canta, seus males espanta".

Capitão Rapadura - Letra e música: Geraldo Borges


DOWNLOAD


Zildete - Remédio pra Espinhela

Zildete saiu do interior para trabalhar na capital, antes se chamava Hildete, mas seguindo os conselhos da Madame Mina mudou o H pelo Z por causa da numerologia. O que a numerologia não conseguiu mudar foi sua classe e elegancia.

GLOSSÁRIO RAPADURAL:
Espinhela: Do termo "Espinhela Caída", Lumbago. Um Mal caracterizado por dor nas pernas no estômago, moleza e cansaço extremo. Na crença popular a "Espinhela" é um ossinho mole posicionado acima da boca do estômago.
Mucumbuco: Cóccix, a região no cinal da culuna antes de chefar no Feofó.
Titela: Mêi dos peito. Externo.
Cacuruta ou Cucuruto: Topo do Quengo. Parte de cima da cabeça.
Tripa Gaitera: Intestino frouxo, Mal caracterizado for frequente e barulhenta flatulencia.  Associação metafórica ao fato das tripas (intestino grosso) tocarem gaita (executarem ruídos característicos ou pitorescos) .
Inviezada: Diz-se de algo posicionado em diagonal.

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

76 ANOS DE LANÇAMENTO DO FANTASMA


Em 17 de janeiro de 1936 saiam nos jornais americanos o quadrinho do FANTASMA, o Espírito que Anda, personagem do falecido Lee Falk. Com incríveis aventuras que misturavam ação e misticismo na África e algumas vezes em cidades, o Fantasma combatia o crime acompanhado por Diabo, Fraka e Herói (respectivamente seu cão, falcão e cavalo). Em sua mão direita há o anel da caveira, marca da injustiça gravada no rosto dos criminosos ao receberem seu soco, e na esquerda a marca do bem, que designa aqueles que o Fantasma protege.

Atualmente o Fantasma é lançado pela Dynamite Comics, editora de Alex Ross.



sábado, 14 de janeiro de 2012

Leitores Elegem o TOP 5 dos clássicos brasileiros!

Através da participação dos internautas o Fórum de Quadrinhos do Ceará elegeu 5 artistas entre os desenhistas brasileiros clássicos, Foi pedido aos leitores que votassem nos artistas que ajudaram a fazer do quadrinho brasileiro o que ele é hoje e embora alguns equívocos risíveis tenham sido cometidos, como por exemplo os votos que surgiram para Katsuhiro Otomo e para Neil Gaiman, o resultado contemplou artistas que de fato colaboraram para a formação e o crescimento do quadrinho no Brasil: Flávio Colin; Maurício de Sousa; Júlio Shimamoto; Watson Portela e Ziraldo.

Os cinco artistas mais votados serão tema do seminário do cineasta Eduardo Silva e vão compor uma exposição no dia 28 de janeiro na Gibiteca de Fortaleza durante as comemorações do Dia do Quadrinho Nacional. O evento que tem entrada franca celebra a publicação da primeira HQ brasileira, publicada pelo ítalo-brasileiro Angelo Agostini em 1869.

Serviço:
Exposição TOP 5 Brazuca
DQN 2012
Sábado 28 de janeiro de 8h às 18h
Biblioteca Dollor Barreira (Gibiteca Municipal)
Av. da Universidade, 2572, Benfica
Fortaleza - CE

Vaja a matéria original e um profile dos vencedores aqui.

sábado, 7 de janeiro de 2012

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

MINO em matéria do Diário do Nordeste: Em Novas Aventuras


O criador do Capitão Rapadura e seus projetos foram foco de uma matéria bem completa no site do Diário do Nordeste. O texto redigido pela repórter Natércia Rocha explora a trajetória do Mino, suas publicações, personagens e projetos futuros (que já estão em andamento).

Veja a transcrição da Matéria:

" Um dos principais nomes do cartum no Estado, Mino prepara novos projetos para seu personagem mais famoso, o Capitão Rapadura
Historinhas, fábulas, textos, HQs, pensamentos, frases, quadros, murais, manias, vinhetas, ilustrações, contos, poemas. Esses são alguns itens da vasta lavra cultivada e colhida no universo criativo de um dos maiores cartunistas do País, nascido aqui em Fortaleza, Hermínio Macedo Castelo Branco, o Mino. Colunista do Caderno 3, ele publica aos sábados sua já tradicional The Mino Times.

Zanzão e Joli; Ranzinza, Ranaldo e Ranilda; Sapolino; Olalá, O gênio nacional; Zildete; Doutor Braz; Poeta Raimundo; Mimi, Chuvisco e Zé Catita; O rei e eu; Paulo, O coelho; ETúlio e ETília; Albert, Ondstais; Joaninha; Urubulino; Zarro; Emilho e Emilha; Iracema e Caubi; Miudinhas (as formiguinhas); Virgulino; Brinquedo; Goiabada; Dr. Mino; Madame Mina; Sei lá e Lassei; UG e BUG; Elvira, a mulher de mentira; Zé Piada; Sherezade e outros: grande parte dos 40 personagens criados por Mino estão na revista "Rivista". O título já vai na 113ª edição, com tiragem mensal pela Editora Riso e publicada pela Mino Produções. E o resultado não poderia ser outro. Entre as muitas atividades criativas elencadas pelo nosso fértil cartunista, ele faz uma revelação que merece destaque e atenção: Mino tem, nada menos, que 21 livros prontinhos, no ponto para serem publicados.

Mas, dentre todos os personagens criados por Mino, não há como negar, o Capitão Rapadura, o primeiro super-herói genuinamente cearense, é mesmo o mais popular. Por falar nele, onde estará aquela criaturinha que vem cativando admiradores desde 1973, quando chegou ao mundo através do episódio "Capitão Rapadura contra a Peba da Aldeota", sátira ao Bairro Aldeota que, na época (?), estava repleto de buracos.

Produção
"Produzo muito, todos os dias, sou disciplinado. Pela manhã, chego cedo e faço a agenda do dia, porque tem o escritório para tocar, tem a revista, depois começo a fazer os trabalhos de desenhos. Todos os dias faço uma tira do Capitão Rapadura, mexo com os personagens, faço revisão dos livros que quero lançar. Estou na fase de olhar o rebanho todinho para ver o que vai para o mercado. O Capitão Rapadura está pronto, mas tem alguns personagem com histórias a serem desenvolvidas. Os livros estão prontos, são 21, mas até agora só publiquei três pequenos: ´O menino iluminado´, ´A missão das cores´ e ´A luz de cada um´", conta.

Mino confessa que o super-herói sertanejo estava tirando um cochilo nas gavetas de seu escritório, que fica localizado ali no Bairro Papicu. Mas agora despertou com novidades alvissareiras, para alegria dos fãs e seguidores.

"Ele estava arquivado, mas, agora, reuni tudo do Capitão Rapadura. O importante é que estou fazendo um estudo de meu próprio trabalho. Deixei um pouco ele de lado, estava buscando o traço e encontrei o traço e o caráter. Ele não é violento, não dá soco em ninguém, as saídas que encontra são todas pela inteligência. O Rapadura é engraçado, ecológico, às vezes se transforma no Rapadura Negra e sai soltando os passarinhos presos por aí".

Manuseando as pastas organizadíssimas, onde separa o material que trará fôlego novo ao seu filho mais ilustre, Mino continua. "Pensei: o que vou fazer com Capitão Rapadura? Jogar fora? Acabou a história dele? Quanto fui ver, vi que não poderia fazer isso, porque tem muita coisa pronta, programação visual para chaveiro, lápis, bermuda, toalha. Ele é um personagem pronto para ser lançado. Ao longo dos anos, venho recebendo muitas mensagens, alguém sempre fala, diz que viu por aí, conhece, mas pouca gente já leu alguma revista dele. O Capitão Rapadura existe na cabeça das pessoas, ele é querido. Me empolguei e minha fase agora é cuidar dele", revela

Identidade visual
E a gente se pergunta: mas quem é esse homem por capaz de dar vida a tantos personagens engraçados e sábios, tudo de um jeito simples, só tirando e colocando graça de onde menos se espera? Na tarde em que recebeu o Caderno 3 em seu escritório, Mino falou longamente de sua trajetória.

"Em 1965, entrei para a Faculdade de Direito, peguei as passeatas, fiz parte do diretório, desenhei muito cartaz. Foi nessa fase que me lancei como desenhista. Também, aqui em Fortaleza, na TV Ceará, desenhava no programa ao vivo, era o repórter nacional da época, chamava-se Repórter Cruzeiro, quando começava a notícia, eu começava a ilustrar. Depois, em 1967, fui para o Rio de Janeiro e conheci o Ziraldo. Foi aí que ganhei o nome de Mino. Ziraldo quando viu meu cartoon disse: ´mas seu nome é muito comprido, Hermínio não é nome de cartunista, não tem um nomezinho mais curto? E eu disse que meu apelido em casa era Mino. Ele disse: ´pô, e você com um nome desse!´. Daí passei a assinar Mino. Deixei não sei quantos desenhos na Revista Cruzeiro e vim para cá, depois passei a colaborar um pouquinho com o Pasquim. Mandei desenhos para revistas da época, Fatos e Fotos, Status. Antes, eu trabalhava fazendo marcas, programação visual. Foi quando resolvi montar meu próprio ateliê, então, o que viesse, eu fazia. Era como uma loja, entrava e pedia o que queria, foto da mulher, ilustração do livro, marca da empresa: era desenho, era comigo. Passei uns 10 anos fazendo isso e me deu base porque, à medida que entrava no desenho mais técnico, quando voltava para o cartum, estava com o traço mais refinado", rememora.

The Mino Times
Semanalmente, Mino produz uma página semanal de humor, a The Mino Times, aqui, no Diário do Nordeste. O cartunista cearense já participou e foi premiado em diversos salões de humor nacionais e internacionais, fazendo parte, dentre outras, da antologia "Rússia-Brasil em defesa da natureza", da Exposição Itinerante da Aliança Francesa, além de um importante trabalho, "Os Peixes", publicado na Slapstick, periódico alemão de humor. Mino também é o responsável pelo grande mural Terra da Luz, localizado no Aeroporto Internacional Pinto Martins, em Fortaleza.

"Recebi influência de todo mundo. Nunca deixei nenhuma porta fechada. Se tivesse vontade de desenhar parecido com Picasso, fazia. O Ziraldo influenciou meu traço, Millôr Fernandes, Jaguar, e eu deixava livremente essa coisa acontecer. Uma vez perguntei como eu iria resolver esse problema, porque queria ter um estilo, mas meu desenho sempre estava agarrado a algum outro desenho. Aí o Millôr disse que eu estava esnobando, disse que o próprio Picasso admitia que um pintor imitasse outro pintor, mas nunca imitasse a si próprio, se repetisse. Fui tendo esses mestres e encontrando meu caminho na pintura. Juntei desenho com pintura e deu o mural do aeroporto, ali foi um estudo fantástico! Porque eu tinha formação do desenhista de história em quadrinho. Quando fui fazer a história do Ceará no mural, o Terra da Luz, pensei em fazer preto e branco, por causa do cordel e tal. Mas um dia estava na missa, lá na Catedral da Sé, e reparei naqueles vitrais coloridos e disse: vou colorir aqueles desenhos, o Ceará tem muita luz, as mulheres são coloridas, nossa natureza é colorida. Por isso fiz aquela estamparia toda, coloquei muitas cores, surrealista mesmo, tem gente de rosto verde, camaleão vermelho, tudo contando a paisagem cultural e natural do Ceará".

NATERCIA ROCHAREPÓRTER "

Link para a matéria do Diário do Nordeste.

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Caos em Fortaleza!



Hoje, 3.1.2012, motivados pela greve dos policiais, a cidade de Fortaleza teve várias ações criminosas coletivas, conhecidas como "arrastões", cuja notícia recebeu grande visualização através de sites de relacionamento como Facebook e Twitter. Nesse último, a hashtag (nome dado à marcação de um tema específico comentado por muitas pessoas) #CaosEmFortaleza se tornou uma das mais divulgadas, mostrando o enorme interesse das pessoas em mostrar os locais onde as ações aconteciam ou simplesmente dar suas opiniões sobre o caso. Isso gerou uma onda de receio à maioria das pessoas em saírem de casa pra fazer coisas simples como ir ao trabalho ou comprar o pão.

Mas o Capitão Rapadura, que não é besta nem nada, dá a dica de verificarmos as notícias que chegam até nós e usarmos o senso crítico para avaliar os boatos e afirmações controversas, observando a credibilidade e o histórico da fonte de informação.

Bem, fica a reflexão: estamos realmente nos comunicando quando trocamos os fatos pelos sentimentos?


No diário do Nordeste: Arrastão - Trio é preso com metralhadora, Empresários e os Arrastões, A Polícia parada durante os arrastões.
Na Folha.com: Fortaleza virou terra sem lei!
O Jornal O Povo saiu do ar, mas ele possuía algumas das principais informações. Clique e veja!

Espelho Mágico


Como um cidadão do mundo (deste e de outros), o Capitão Rapadura acabou fazendo amigos em muitos lugares, prova disto é que o Espelho da Rainha Malvada foi parar na sua sala. Fruto de um bom humor globalizado as hqs e tiras rapadurísticas acabam mostrando personagens, mitos e lendas de diversas culturas. O conceito de universo gráfico para o Capitão Rapadura engloba tudo que possa gerar uma boa tira, uma boa tirada, ou até uma mais ou menos.

Esse quadrinho do Mino inspirou uma série de situações com o Espelho Mágico abrindo o mote para piadas que vão de Branca de Neve a Harry Potter.




domingo, 1 de janeiro de 2012

UM DOCE TROTE!

Uma série de tiras do Capitão Rapadura foi produzida por volta de 2003 direcionada inicialmente para o jornal. O Almanaque Mino, Almanaque Capitão Rapadura e Rivista também fizeram usos de algumas dessas tiras. Esta, espacificamente, integra o conjunto das tiras feias para publicação dominical. Denílson Albano, Cristiano Lopes e Daniel Brandão produziram várias outras com esse formado diferenciado para estampar o jornal de domingo. Atualmente os jornais do Ceará limitam-se a algumas tiras gringas (equilibradas com umas poucas regionais - justiça seja feita) ou nem isso.

A produção de tiras ensina muito ao quadrinista sobre os fundamentos da narrativa gráfica, do timming à expressão gestual, dando a noção exata de que no quadrinho cada imagem e cada palavra precisa contribuir para a história. Para o leitor a tira é uma narração auto-contida que dispensa outras leituras para sua compreenção funcionando como uma das mais abrangentes facetas das histórias em quadrinhos.

Feliz 2012!

Pra começar o ano de 2012 com o pé direito que tal algumas dicas legais junto com um bocado de esperança, pensamento positivo e disposição para trabalhar? Com vocês as Regras de Ouro do Sucesso versão Mino.